Total Pageviews

Tuesday, 11 October 2011

Primeira imagem ótica não detecta cometa Elenin após periélio





 Uma nova imagem, feita a partir de telescópio óptico instalado no Novo México, não conseguiu detectar qualquer fragmento do cometa C/2010 X1 Elenin. Devido às condições desfavoráveis para o sensoriamento, a imagem não pode ser considerada como prova de que o cometa realmente se desintegrou completamente.


A nova cena celeste foi feita na madrugada de quinta-feira, 6 de outubro, pelo próprio descobridor do cometa, Leonid Elenin, que usou o mesmo telescópio robótico que descobriu o cometa em 2010. Leonid fez uma única exposição de 30 segundos no quadrante de onde o objeto deveria ser encontrado.
Caso não tivesse desintegrado quando passou pelo periélio (maior aproximação com o Sol) em setembro de 2011, C/2010 X1 deveria ser um objeto de magnitude 12, facilmente detectável na foto, mas uma primeira análise da imagem indica que se algum fragmento resistiu ao calor da estrela sua magnitude deve ser superior a 15, menos brilhante que o planeta-anão Plutão, lembrando que quanto maior a magnitude, menor o brilho de um objeto.
No momento, um dos principais entraves para a observação do cometa é sua posição. O objeto está muito próximo ao horizonte e a imagem captada por Leonid já revela os primeiros sinais da interferência do Sol, impedindo uma observação mais sensível.
À medida que o os dias passam o cometa estará nascendo mais cedo no quadrante leste e as futuras sessões de imagens sofrerão menos com os efeitos da alvorada. Ainda assim, a presença da Lua Cheia deverá novamente interferir nas observações óticas.
Elenin
Elenin é um cometa não-períódico que deverá atingir a maior aproximação com a Terra em 16 de outubro de 2011.
Quando descoberto, os pesquisadores estimavam que seu brilho máximo chegasse a 4.5 magnitudes, o que permitiria que fosse visto facilmente durante as madrugadas. No entanto, imagens feitas por astrônomos amadores antes do cometa atingir o periélio, em 10 de setembro, já mostravam um forte enfraquecimento no brilho do cometa, o que fez os observadores acreditarem que Elenin não resistiria à proximidade com o Sol.
Entre os dias 23 e 28 de setembro o cometa entrou no campo de visão do coronógrafo Lasco C3, a bordo do telescópio espacial Soho, mas nenhum fragmento foi detectado, aumentando as especulações sobre a desintegração do cometa ou então que os fragmentos fossem muito pequenos para serem registrados.
Procurando Elenin
Na próxima semana o Apolo11 realizará um imageamento da possível área onde se localiza os fragmentos. Para isso usaremos um telescópio robótico de 460 milímetros, localizado em Nerpio, na Espanha. Já estão programadas duas tomadas de cena. O objetivo é criar uma animação que facilitará a busca por possíveis remanescentes cometários.
Astrônomos do radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, também estudam a possibilidade sondar a zona do cometa através de pulsos de radar, talvez a única forma de registrar os possíveis restos do cometa, mas a altura do objeto no céu ainda não permite que o estudo por radar seja realizado. 

Foto: Imagem feita pelo astrônomo amador Leonid Elenin mostra a região onde os fragmentos do cometa C/2010 X1 deveriam ser encontrados, na noite de 6 de outubro de 2011. A cena foi registrada com 30 segundos de exposição através do telescópio robótico instalado no Novo México, EUA. Crédito: Leonid Elenin, Apolo11.com.








Apolo11.com - Todos os direitos reservados

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
There was an error in this gadget